Facebook Linkedin

Nota

logo para e-mail

 

Nota

 

A ABRAMAT, entidade representativa da indústria de materiais de construção em 22 segmentos de mercado, com mais de 50 associados e membros, que juntos compreendem 400 fábricas no país, atua nos assuntos e interesses conjunturais, entre os quais não se incluem as questões comerciais, relacionadas a preços, ou específicas de cada setor individualmente.

 

Não obstante, repudiamos com veemência qualquer manifestação, por quem quer que seja, de ilações ou insinuações de que há movimentos intencionais da indústria de materiais para fomentar desabastecimento e consequentemente aumentar preços de produtos de diferentes segmentos desse mercado.

 

Sempre prezamos pela transparência, diálogo construtivo e propositivo com todos os nossos interlocutores e em um momento de crise como o trazido pela pandemia do COVID-19, não seria diferente.

 

Os movimentos de preços identificados no mercado recentemente são consequência de uma série de fatores conjunturais que estão contribuindo, em maior ou menor grau, dependendo do produto e região, para a situação experimentada neste momento.

 

Nos últimos meses, tivemos uma grande volatilidade da demanda, onde a indústria de materiais de construção por imposição da pandemia  viu sua produção diminuir abruptamente para cerca de 50% em abril e maio (de acordo com pesquisa junto a associados da ABRAMAT) e logo na sequência, uma retomada abrupta da demanda, com necessidade de reposição de estoques e incremento expressivo dos volumes de produção, trazendo ao setor um desafio de curto prazo de fazer uma série de ajustes internos de equipamentos, de pessoal e de aquisição de insumos que não são imediatos.

 

Além disso, em diferentes graus, dependendo do segmento, houve aumento de uma série de matérias-primas, por fatores externos e alheios à vontade ou ação das empresas, seja por questões de oferta/demanda ou relacionadas a flutuações cambiais. Finalmente, ainda podem ter ocorrido problemas de serviços logísticos em algumas regiões, que em função da pandemia ainda estão se normalizando.

 

A indústria de materiais de construção tem plena capacidade de atender a demanda regular de mercado. Dados coletados pela ABRAMAT junto a seus associados e já divulgados demonstram que a produção no mês de agosto está se recuperando e atingiu em média 77% da capacidade instalada, com tendência de alta (em fevereiro era 70%), assim como no caso da perspectiva da indústria para os próximos 12 meses em termos de investimentos, que atingiu 81% de intenção positiva (maior percentual em 10 meses).

 

Assim, a indústria de materiais de construção está comprometida e mobilizada para realizar as entregas dos pedidos dos diferentes canais da maneira mais rápida possível, para fazer frente ao aumento de demanda nesse momento de recuperação de nossa economia.

 

A ABRAMAT se coloca à disposição para tratar qualquer esclarecimento adicional necessário.