Números do setor

O Índice da ABRAMAT – Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção – mostra que o setor ainda sente os reflexos da crise econômica e política, porém é possível verificar recuperação lenta por meio de quedas menos intensas. A variação em relação a agosto de 2016 registrou queda de 2,9%.

Os resultados acumulados também caíram, a variação acumulada no ano registrou baixa de -6,1% e o acumulado em 12 meses caiu 7,8%. Já o faturamento total das vendas dos materiais de construção apresentou crescimento de 6,2% ante julho de 2017, porém não foi suficiente para estabilizar a queda nas vendas.

No que diz respeito ao emprego da indústria de materiais de construção, o mês de agosto registrou queda de 5,3% frente a agosto de 2016. A comparação em relação a julho de 2017 mostra leve recuo de 0,2%. Em linha com esses resultados, as variações acumuladas no ano e em 12 meses registraram respectivamente -6,2% e -6,7%.

 

TOTAL

% de agosto/17 comparado a julho/17

% de agosto/17 comparado a agosto/16

Acumulado no ano

Acumulado 12 meses (Móvel)

Faturamento Deflacionado

6,2%

-2,9%

-6,1%

-7,8%

Emprego

-0,2%

-5,3%

-6,2%

-6,7%

 

Segundo Walter Cover, presidente da ABRAMAT, o setor caminha para redução do mercado este ano ao redor de 5% a 6%. “A queda de vendas de materiais de base é um pouco maior do que a dos materiais de acabamento refletindo a redução das obras de infraestrutura e novas edificações. Muito por conta do desemprego, que faz com que as famílias posterguem decisões que envolvem compromissos financeiros de longa duração”, analisa o executivo que destaca a questão dos juros de mercado, que apesar da queda na Selic, continuam altos.

A crise política ainda está presente, a queda da inflação, fruto principalmente da redução da demanda, permite uma melhoria da renda real das famílias e ajuda o consumo inclusive de materiais de construção”, finaliza Walter Cover.

A comparação de agosto de 2017 com o mesmo mês do ano anterior, revela queda de 2,9% para o faturamento deflacionado. A trajetória recente desse indicador é de recuperação e as projeções indicam continuidade dessa tendência.